Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mundo Cristão e Novidades

Informações e Novidades sobre o mundo cristão

Mundo Cristão e Novidades

Informações e Novidades sobre o mundo cristão

Revista O Conservador (Gratuita - Baixe Grátis)

A Revista foi criada com a intenção de promover os valores e princípios do pensamento conservador.

revista-conservadora-gratuita.jpg

A Revista foi criada com a intenção de promover os valores e princípios do pensamento conservador.

O Que é o Conservadorismo? é a primeira edição da revista conservadora que tratará de Política, Filosofia, Cultura e diversos outros temas com uma visão conservadora.

 

Nesta Edição: Você encontrará

 

O QUE É O CONSERVADORISMO?

OS DEZ PRINCÍPIOS CONSERVADORES

A CULTURA ANTES DA POLÍTICA

PERDENDO A GUERRA CULTURAL

E Muito mais…

Baixar Revista O Que é o Conservadorismo?

 

Fonte: Revista O Conservador

Revista Cristã - O Perigo das Seitas (Gratuita)

O Perigo das Heresias e dos grupos sectários do Mundo Moderno.

o perigo das seitas.png

 Uma Seita ou “Secta” como está no latim, é um grupo religioso que difere das doutrinas fundamentais da fé cristã encontradas nas escrituras e ensinadas por Jesus e seus Apóstolos. São grupos que em sua maioria se intitulam como os únicos detentores da “verdade” e muitos deles chegam a ter a audácia de dizer que fora deles não há salvação.

Além de exclusivistas, os mais radicais como documentados por apologistas brasileiros, chegam ao ponto de privar seus membros do convívio com seus familiares. Seus métodos são desde o proselitismo à manipulação mental e comportamental.

Nesta Edição, disponibilizaremos alguns artigos sobre o tema, visando nos ajudar a compreender e nos prevenir do engano destes grupos e de suas heresias maléficas.
Boa Leitura.
Graça e Paz

Baixar Gratuitamente - Revista O Perigo das Seitas

Cosmovisão Cristã ( As Lentes da Fé)

Enxergando o mundo com as lentes da fé,  e vivendo com plenitude a vida cristã .

revista cosmovisão.png

 

Para muitos de nós brasileiros que professam a fé cristã, a religião é algo restrito ao âmbito particular. Isso se deve à cultura em que estamos inseridos, que procura de todas as formas nos sufocar e se possível nos excluir do debate cultural.

Nesta edição veremos que todo este aparato ideológico e anticristão de nossos dias nada mais é, que o resultado de inúmeras cosmovisões que se impõe nos corações dos homens afim de dominá–los. Veremos também que a falta de uma cosmovisão cristã definida pelos cristãos atuais, tem contribuído para essa decadência moral e espiritual.

Precisamos o quanto antes voltarmos a pensar biblicamente. Sair de nossos arraiais e devolver ao mundo a sanidade intelectual que é alicerçada na Verdade Imutável de Deus.

”O cristianismo não é uma série de verdades no plural, mas é a Verdade escrita com V maiúsculo. É a Verdade sobre a realidade total, não apenas sobre assuntos religiosos.” (Francis Schaeffer )

Assuntos da Revista

ENTENDENDO A COSMOVISÃO CRISTÃ

SEIS COSMOVISÕES DOMINANTES NO MUNDO

A IMPORTÂNCIA DA DOUTRINA BÍBLICA

10 COISAS QUE VOCÊ DEVERIA SABER SOBRE OS ATRIBUTOS DE DEUS

O PASTOR E SEU VERDADEIRO CHAMADO

E Muito mais….

 

Baixar Gratuitamente a Revista Cosmovisão Cristã

 

Revista Contra o Aborto (Download Gratuito)

Este mês a Revista Cristão Erudito tratará do Aborto, através de uma visão Cristã.

revista contra o aborto.jpg

Uma pesquisa realizada em um Instituto americano ano passado que pesquisou igrejas sobre o assunto, revelou um número assustador de Cristãos favoráveis ao Crime do Aborto.
O que pode estar ocorrendo na mentalidade dos ”cristãos” deste século?
Será falta de instrução bíblica? Ou efeito da propaganda massiva de ativistas pró aborto na mídia secular?
Acho, que as duas coisas.
Portanto, é Necessário nestes dias buscarmos mais conhecimento bíblico e filosófico sobre temas como este. Saber a visão de Deus sobre o assunto e nos posicionarmos do lado certo.

Esperamos sinceramente, poder através desta revista, contribuir para nosso conhecimento e tomada de posição.

Em favor da Vida, dando voz aos que ainda não podem tê-la.

Boa Leitura.

Baixar a revista Gratuitamente

 

Baixe as demais revistas (O Cristão Erudito)

O Cristão deve se Envolver na Política? (Download Gratuito)

Política é a pauta da Revista Cristão Erudito este mês

capa amostra.jpg

Para responder essa pergunta, devemos primeiro definir o que é “política”. De modo simples, podemos entender política como a relação entre governantes e governados na sociedade. Dito isso, parece-me que o cristão não apenas pode, mas deve envolver-se de algum modo na política, e isso por uma razão muito simples: a Bíblia tem muito a dizer a respeito dessa relação entre governantes e governados.

O que a Bíblia tem a dizer a respeito da política? Primeiro, a Bíblia nos mostra que essa relação entre governantes e governados foi instituída por Deus; isso fica claro, por exemplo, quando Paulo se refere aos magistrados civis como “ministros de Deus”, em Romanos 13. Essa estrutura de governantes e governados, que foi criada por Deus e está impressa na ordem da criação, é ela mesma governada pelo Deus soberano por meio das obras da providência. Em palavras mais simples, Deus é quem constitui e destitui reis sobre as nações; Ele é o Senhor de toda a terra e, em última instância, é Ele quem está providencialmente regendo as nações conforme o decreto de sua vontade soberana.

Baixe a Revista O Cristão e a Política e Veja o artigo Completo.

Segundo, a Bíblia nos mostra que essa estrutura política é também regulada por Deus. A Bíblia não apenas estabelece que Deus rege secretamente a relação entre governantes e governados, mas ela também nos apresenta mandamentos explícitos sobre como os governantes devem agir em relação aos governados, e vice-versa. Podemos dizer, assim, que para além da vontade decretiva de Deus, as relações políticas em uma sociedade devem se sujeitar à vontade revelada de Deus, isto é, às normas de conduta que Ele mesmo estabeleceu em sua santa lei.

Quais são os mandamentos bíblicos que se aplicam à política? São muitas as ordenanças bíblicas que regem a vida política de uma sociedade, mas, provavelmente, a mais importante delas é o quinto mandamento do Decálogo. O quinto mandamento fala explicitamente a respeito da honra que é devida pelos filhos aos pais; mas, na verdade, ele engloba todas as relações humanas – ou, como diz o Catecismo Maior de Westminster (P&R 126), “o alcance geral do quinto mandamento é o cumprimento dos deveres que mutuamente temos uns para com os outros em nossas diversas relações como inferiores, superiores ou iguais”. Isso envolve, certamente, a estrutura política a que nos referimos aqui; as relações entre governantes e governados são biblicamente definidas como relações de autoridade, isto é, relações entre superiores e inferiores. E a Bíblia estabelece quais são os deveres dos governados, inferiores, e quais as obrigações dos governantes, superiores, nessa relação.

Outra questão importante é que a Bíblia expressamente define qual a função do governo civil. Em Romanos 13, Paulo diz que a função do magistrado é “castigar o que pratica o mal”. Quando a Escritura atribui ao governo civil esse papel de administrar a justiça pública (que é um papel eminentemente de justiça criminal), ela também impõe limites à atuação do Estado. Como dizem os cristãos reformados holandeses, a soberania do Estado está adstrita à sua própria esfera de atuação; e, sempre que os governantes querem agigantar o Estado e sufocar as outras esferas da vida social, a Bíblia chama isso de tirania.

Isso tem implicações muito sérias, as quais muitos cristãos em nosso país ignoram. Se Deus instituiu a autoridade civil apenas para a administração da justiça pública, os cristãos não deveriam ser coniventes com um Estado que almeja ser outra coisa. O Estado não é redentor, e os cristãos não deveriam querer usar o Estado para redimir ninguém. Ao mesmo tempo, o Estado não é pai, e os cristãos não deveriam entregar nas mãos do Estado, inadvertidamente, a autoridade paterna. O Estado não é empresa, e os cristãos não deveriam esperar que o Estado fosse um gerador de emprego e renda. O Estado não é instituição de caridade, e os cristãos não deveriam confiar ao Estado a tarefa de prestar assistência aos pobres, aos órfãos e às viúvas. Biblicamente, essas funções pertencem a outras esferas da vida humana, sobretudo à família e à igreja. E, historicamente, as sociedades que mais floresceram foram aquelas que discerniram bem os limites de atuação do governo civil e valorizaram a liberdade individual e a soberania das outras esferas da vida social.

De que maneira os cristãos, como governados, podem se engajar na política em submissão aos mandamentos de Deus para essa esfera da vida humana? Há uma observação importante aqui. Quando dizemos que os cristãos devem se envolver na política, isso não significa necessariamente que todos os cristãos devem estar envolvidos em política partidária. Na verdade, talvez esse seja o último aspecto da atuação política com o qual o cristão deveria se preocupar.

Dito isso, podemos pensar em algumas diretrizes gerais para o engajamento político cristão.

 

Continue Lendo em: O Cristão e a Conciência Política

A Verdade sobre a Teologia da Prosperidade

Teologia da Prosperidade (Edição 2018)

capa teologia da prosperidade.png

Revista trata das falácias e falhas da Teologia da Prosperidade. 

É Claro que não pretendemos sanar todas as questões deste assunto tão complexo, porém podemos sim, apresentar de forma bastante significativa os principais pontos e desvios desta chamada ”teologia”, que na verdade pode ser chamada de (Outro Evangelho), já que distorce consideravelmente a prática e a doutrina cristã.

A Igreja Brasileira está impregnada deste ”Outro Evangelho”, e quando digo isso, não me refiro somente as igrejas ”modernas”, neo-pentecostais e sim a todas as denominações que ainda que de forma sútil tem deixado essas falsas doutrinas e ensinos invadirem seus arraiais.
Que Deus em Cristo nos ajude a viver, crer e andar em sua verdade até o último dia da Igreja na Terra.

Baixar Revista Gratuitamente>>>

A verdadeira motivação para buscar a vida eterna

Busque a Deus pelos motivos certos

vida eterna.jpg

 Você já se perguntou por que o perdão de Deus possui algum valor? E quanto à vida eterna? Você já se perguntou por que você quer a vida eterna? Estas questões são importantes porque é possível querer o perdão e a vida eterna por razões que podem indicar que você não os possui.

 
Tome o perdão, por exemplo. Você pode querer o perdão de Deus por estar muito infeliz com sentimentos de culpa. Você só quer alívio. Se você puder crer que ele te perdoa, poderá ter algum alívio, mas não necessariamente a salvação. Se você quer o perdão só por causa do alívio emocional, você não terá o perdão de Deus. Ele não o dá a quem o usa apenas para obter seus dons, mas não a ele mesmo.
 
Ou você pode querer ser curado de uma doença, ou conseguir um bom emprego, ou encontrar um cônjuge. Então você ouve que Deus pode ajudá-lo a obter essas coisas, mas que primeiro os seus pecados devem ser perdoados. Alguém lhe diz para crer que Cristo morreu pelos seus pecados, e que se você crer nisso, seus pecados serão perdoados. Então você crê apenas para remover o obstáculo à saúde, ao emprego e ao cônjuge. Isso é a salvação do evangelho? Acho que não.
 
Em outras palavras: importa, sim, o que você espera por meio do perdão. Importa por qual motivo você o quer. Se você quer o perdão só por uma questão de desfrutar a criação, o Criador não é honrado e você não é salvo. O perdão é precioso por uma razão definitiva: ele permite que você desfrute de comunhão com Deus. Se você não quer perdão por essa razão, você não irá tê-lo de forma alguma. Deus não será usado como moeda para a compra de ídolos.
 
Semelhantemente, por que queremos a vida eterna? Pode-se dizer que é porque o inferno é a alternativa, e isso é doloroso. Ou pode-se dizer que é porque não haverá nenhuma tristeza lá. Ou porque nossos entes queridos foram para lá, e queremos estar com eles. Ou pode-se sonhar com sexo ou comida sem fim. Ou ainda, buscar fortunas mais nobres. Em todos estes alvos, uma coisa está faltando: Deus.
 
O motivo salvador para querer a vida eterna é dado em João 17.3: “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. Se não queremos a vida eterna porque ela significa alegria em Deus, então não teremos vida eterna. Simplesmente nos enganamos que somos cristãos se usamos o glorioso evangelho de Cristo para obter o que amamos mais do que Cristo. A “boa nova” não se mostrará boa para ninguém que não tenha Deus como o bem maior.
 
Jonathan Edwards apresenta isso desta maneira em seu sermão “Deus Glorificado na dependência do homem”, pregado em 1731. Leia isto lentamente e deixe-o acordar você para o verdadeiro bem do perdão e da vida.
 
Os redimidos têm todo o seu bem objetivo em Deus. O próprio Deus é o grande bem que recebem a posse e o gozo através da redenção. Ele é o bem mais elevado, e a soma de todo o bem que Cristo adquiriu. Deus é a herança dos santos; ele é a porção de suas almas. Deus é a sua riqueza e tesouro, seu alimento, sua vida, sua morada, o seu ornamento e diadema, e sua honra e glória eterna. Eles não têm a ninguém no céu senão Deus; ele é o grande bem no qual os resgatados são recebidos na morte, e para o qual eles se levantarão no fim do mundo. O Senhor Deus, ele é a luz da Jerusalém celestial, e é o “rio da água da vida” que corre, e a árvore da vida que cresce “no meio do paraíso de Deus”. A gloriosa excelência e beleza de Deus será o que para sempre entreterá a mente dos santos, e o amor de Deus será o seu banquete eterno. Os remidos, de fato, desfrutarão de outras coisas; eles apreciarão os anjos, e desfrutarão uns dos outros; mas o que eles desfrutarão nos anjos, ou no outro, ou em qualquer outra coisa que seja, que irá render-lhes prazer e felicidade, será o que de Deus será visto neles.
 
O evangelho é, em última análise, a respeito de Deus. Só ele é o autor e alvo da salvação. A boa notícia de João 3.16 é que Deus é o fim principal do evangelho. Ele amou o mundo de tal maneira não apenas para nos dar perdão ou vida eterna, mas para nos dar algo ainda maior: a si mesmo.
 
Cristão Erudito