Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mundo Cristão e Novidades

Informações e Novidades sobre o mundo cristão

Mundo Cristão e Novidades

Informações e Novidades sobre o mundo cristão

Revista Contra o Aborto (Download Gratuito)

Este mês a Revista Cristão Erudito tratará do Aborto, através de uma visão Cristã.

revista contra o aborto.jpg

Uma pesquisa realizada em um Instituto americano ano passado que pesquisou igrejas sobre o assunto, revelou um número assustador de Cristãos favoráveis ao Crime do Aborto.
O que pode estar ocorrendo na mentalidade dos ”cristãos” deste século?
Será falta de instrução bíblica? Ou efeito da propaganda massiva de ativistas pró aborto na mídia secular?
Acho, que as duas coisas.
Portanto, é Necessário nestes dias buscarmos mais conhecimento bíblico e filosófico sobre temas como este. Saber a visão de Deus sobre o assunto e nos posicionarmos do lado certo.

Esperamos sinceramente, poder através desta revista, contribuir para nosso conhecimento e tomada de posição.

Em favor da Vida, dando voz aos que ainda não podem tê-la.

Boa Leitura.

Baixar a revista Gratuitamente

 

Baixe as demais revistas (O Cristão Erudito)

O Cristão deve se Envolver na Política? (Download Gratuito)

Política é a pauta da Revista Cristão Erudito este mês

capa amostra.jpg

Para responder essa pergunta, devemos primeiro definir o que é “política”. De modo simples, podemos entender política como a relação entre governantes e governados na sociedade. Dito isso, parece-me que o cristão não apenas pode, mas deve envolver-se de algum modo na política, e isso por uma razão muito simples: a Bíblia tem muito a dizer a respeito dessa relação entre governantes e governados.

O que a Bíblia tem a dizer a respeito da política? Primeiro, a Bíblia nos mostra que essa relação entre governantes e governados foi instituída por Deus; isso fica claro, por exemplo, quando Paulo se refere aos magistrados civis como “ministros de Deus”, em Romanos 13. Essa estrutura de governantes e governados, que foi criada por Deus e está impressa na ordem da criação, é ela mesma governada pelo Deus soberano por meio das obras da providência. Em palavras mais simples, Deus é quem constitui e destitui reis sobre as nações; Ele é o Senhor de toda a terra e, em última instância, é Ele quem está providencialmente regendo as nações conforme o decreto de sua vontade soberana.

Baixe a Revista O Cristão e a Política e Veja o artigo Completo.

Segundo, a Bíblia nos mostra que essa estrutura política é também regulada por Deus. A Bíblia não apenas estabelece que Deus rege secretamente a relação entre governantes e governados, mas ela também nos apresenta mandamentos explícitos sobre como os governantes devem agir em relação aos governados, e vice-versa. Podemos dizer, assim, que para além da vontade decretiva de Deus, as relações políticas em uma sociedade devem se sujeitar à vontade revelada de Deus, isto é, às normas de conduta que Ele mesmo estabeleceu em sua santa lei.

Quais são os mandamentos bíblicos que se aplicam à política? São muitas as ordenanças bíblicas que regem a vida política de uma sociedade, mas, provavelmente, a mais importante delas é o quinto mandamento do Decálogo. O quinto mandamento fala explicitamente a respeito da honra que é devida pelos filhos aos pais; mas, na verdade, ele engloba todas as relações humanas – ou, como diz o Catecismo Maior de Westminster (P&R 126), “o alcance geral do quinto mandamento é o cumprimento dos deveres que mutuamente temos uns para com os outros em nossas diversas relações como inferiores, superiores ou iguais”. Isso envolve, certamente, a estrutura política a que nos referimos aqui; as relações entre governantes e governados são biblicamente definidas como relações de autoridade, isto é, relações entre superiores e inferiores. E a Bíblia estabelece quais são os deveres dos governados, inferiores, e quais as obrigações dos governantes, superiores, nessa relação.

Outra questão importante é que a Bíblia expressamente define qual a função do governo civil. Em Romanos 13, Paulo diz que a função do magistrado é “castigar o que pratica o mal”. Quando a Escritura atribui ao governo civil esse papel de administrar a justiça pública (que é um papel eminentemente de justiça criminal), ela também impõe limites à atuação do Estado. Como dizem os cristãos reformados holandeses, a soberania do Estado está adstrita à sua própria esfera de atuação; e, sempre que os governantes querem agigantar o Estado e sufocar as outras esferas da vida social, a Bíblia chama isso de tirania.

Isso tem implicações muito sérias, as quais muitos cristãos em nosso país ignoram. Se Deus instituiu a autoridade civil apenas para a administração da justiça pública, os cristãos não deveriam ser coniventes com um Estado que almeja ser outra coisa. O Estado não é redentor, e os cristãos não deveriam querer usar o Estado para redimir ninguém. Ao mesmo tempo, o Estado não é pai, e os cristãos não deveriam entregar nas mãos do Estado, inadvertidamente, a autoridade paterna. O Estado não é empresa, e os cristãos não deveriam esperar que o Estado fosse um gerador de emprego e renda. O Estado não é instituição de caridade, e os cristãos não deveriam confiar ao Estado a tarefa de prestar assistência aos pobres, aos órfãos e às viúvas. Biblicamente, essas funções pertencem a outras esferas da vida humana, sobretudo à família e à igreja. E, historicamente, as sociedades que mais floresceram foram aquelas que discerniram bem os limites de atuação do governo civil e valorizaram a liberdade individual e a soberania das outras esferas da vida social.

De que maneira os cristãos, como governados, podem se engajar na política em submissão aos mandamentos de Deus para essa esfera da vida humana? Há uma observação importante aqui. Quando dizemos que os cristãos devem se envolver na política, isso não significa necessariamente que todos os cristãos devem estar envolvidos em política partidária. Na verdade, talvez esse seja o último aspecto da atuação política com o qual o cristão deveria se preocupar.

Dito isso, podemos pensar em algumas diretrizes gerais para o engajamento político cristão.

 

Continue Lendo em: O Cristão e a Conciência Política

A Humildade Cristã e a definição mundana de humildade

A Humildade Cristã e a definição mundana de humildade

lavaps_200_200.jpg

 Por Michael J. Kruger  

 

Uma das objeções mais comuns feitas às reivindicações absolutas do cristianismo é de que os cristãos são arrogantes. Os cristãos são arrogantes ao afirmar que estão certos, arrogantes ao afirmar que os outros estão errados; arrogantes ao afirmar que a verdade pode ser conhecida. Infelizmente, no meio de tais acusações, ninguém se preocupa em perguntar que definição de humildade está sendo usada. Ao longo dos anos, a definição de humildade sofreu uma gradual, mas ainda assim profunda, mudança. Especialmente na comunidade intelectual. Atualmente, humildade se tornou, basicamente, sinônimo de outra palavra: incerteza. Estar incerto é ser humilde. Estar certo é ser arrogante. Assim, o pecado capital no mundo intelectual é afirmar saber alguma coisa com certeza.
 

Claro, essa mudança representa um problema real para o cristianismo. Os cristãos acreditam que Deus revelou-se claramente em sua Palavra. Assim, quando se trata de questões históricas importantes (Quem foi Jesus? O que ele disse? O que ele fez?) ou questões teológicas importantes (Quem é Deus? O que é o céu? Como se chega lá?), os cristãos acreditam que têm uma base sobre a qual podem afirmar com certeza: a revelação de Deus. Na verdade se afirmarmos não saber a verdade sobre tais assuntos, isso seria negar a Deus e negar sua Palavra. (Isso não significa, é claro, que os cristãos estão certos sobre tudo, mas podem estar seguros sobre essas verdades básicas do cristianismo).
 

Assim, para os cristãos, humildade e incerteza não são sinônimos. Uma pessoa pode estar certa e ser humilde ao mesmo tempo. Como? Por esta simples razão: os cristãos acreditam compreender a verdade apenas porque Deus revelou a eles (1 Coríntios 1.26-30). Em outras palavras, os cristãos são humildes porque sua compreensão da verdade não se baseia em sua própria inteligência, em sua própria investigação, em sua própria perspicácia. Pelo contrário, é 100% dependente da graça de Deus. Conhecimento cristão é um conhecimento dependente. E isso leva à humildade (1 Coríntios 1.31). Isto obviamente não significa que todos os cristãos são pessoalmente humildes. Mas significa que eles devem ser, e que têm motivos suficientes para ser.
 

Embora cristãos tenham uma base sobre a qual podem ser humildes e estar certos ao mesmo tempo, não é necessariamente o caso com as outras cosmovisões. Considere o ateu, por exemplo. Ele é bastante seguro de muitas coisas (ao contrário da sua afirmação de que não se pode ter certeza de nada). Ele está certo de que ou Deus não existe (ateísmo pesado), ou de que não se pode saber se Deus existe (ateísmo leve). E, em sua crítica ao cristianismo, estão absolutamente certos de que os cristãos estão errados ao afirmar que estão certos. Em essência, o ateu está afirmando: “Eu sei o suficiente sobre o mundo para saber que uma pessoa não pode ter uma base para a certeza.” Isso em si é uma afirmação bastante dogmática.
 

Mas, sobre o que o estão baseadas essas afirmações de amplo alcance dos ateus sobre o universo? Em sua própria mente finita, caída e humana. Ele tem acesso apenas ao seu próprio e limitado conhecimento. Então, agora devemos fazer a pergunta novamente: Quem está sendo arrogante? O cristão ou o ateu? Ambos reivindicam estar certos sobre um grande número de questões transcendentais. Mas um faz isso enquanto afirma ser dependente da pessoa que sabe essas coisas (Deus), e o outro faz dependente apenas de si mesmo. Se uma das posições é uma postura de arrogância, não seria a cristã.
 

Sem dúvida, o ateu se oporia a essa linha de raciocínio pelo fato de ele rejeitar a Bíblia como revelação divina. Mas, isto sai completamente da questão. O ponto não é se ele está convencido da verdade da Bíblia, mas a questão é qual visão de mundo, do cristão ou do ateu, tem uma base racional para reclamar certezas sobre questões transcendentais. Somente o cristão tem essa base. E já que seu conhecimento de tais coisas é dependente da graça divina, ele pode ser humilde e seguro, ao mesmo tempo.
 

 

Traduzido por Josie Lima | iPródigo.com | original aqui - Bereanos

A Verdade sobre a Teologia da Prosperidade

Teologia da Prosperidade (Edição 2018)

capa teologia da prosperidade.png

Revista trata das falácias e falhas da Teologia da Prosperidade. 

É Claro que não pretendemos sanar todas as questões deste assunto tão complexo, porém podemos sim, apresentar de forma bastante significativa os principais pontos e desvios desta chamada ”teologia”, que na verdade pode ser chamada de (Outro Evangelho), já que distorce consideravelmente a prática e a doutrina cristã.

A Igreja Brasileira está impregnada deste ”Outro Evangelho”, e quando digo isso, não me refiro somente as igrejas ”modernas”, neo-pentecostais e sim a todas as denominações que ainda que de forma sútil tem deixado essas falsas doutrinas e ensinos invadirem seus arraiais.
Que Deus em Cristo nos ajude a viver, crer e andar em sua verdade até o último dia da Igreja na Terra.

Baixar Revista Gratuitamente>>>

Marxismo Cultural e a fé Cristã (Revista Evangélica)

Marxismo Cultural – A Farsa Ateísta

marxismo cultural.png

 O Tema que trataremos nesta revista é certamente indigesto para muitos cristãos atuais devido, ao enraizamento de muitas ideias que já estão (infelizmente) impregnadas na cultura de nosso país, e que são empurradas goela baixo desde nossa meninice.

Seja pela TV, escola, universidades e até mesmo em muitas igrejas evangélicas.

Marxismo cultural é a tentativa de comunização da sociedade através da cultura, usando a estrutura herdada de nossos antepassados para a conquista do poder. Visando um mundo utópico de ´´igualdade´´ e prosperidade.
Porém a experiência socialista nos países em que foi implantado se mostrou uma farsa tamanha, e somente produziu mais de 100 milhões de mortos e nações inteiras foram levadas a miséria.(exceto os dominadores, que enriqueceram grandemente e se tornaram milionários, às custas dos povos).
Nesta edição trataremos deste assunto afim de nos vacinarmos contra esta doença que infelizmente esta sendo espalhada em nossa nação.

Baixe a Revista Gratuitamente: Revista Cristã

Revista Cristã (Edição Novembro) - Ideologia de Gênero

Este mês trataremos de um dos temas mais falados desses últimos meses – a tão falada IDEOLOGIA DE GÊNERO.

revista.png

Certamente, estamos vivendo dias maus, e
precisamos estar preparados para enfrentar
as dificuldades que nos cercam.
É perceptível por qualquer cristão, que vive
nesse país que as duas maiores instituições
da humanidade (A Igreja e a Família) está sob
acirrado ataque. Por tanto é preciso, que nos
apeguemos ainda mais as escrituras, na
pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo e nos mantenhamos muito bem informados. Só assim poderemos vencer o mal e guardarmos nossas gerações da corrupção deste mundo. Que Deus em Cristo nos ajude a nunca desistirmos sem lutar.

 

Conteúdo da Revista

O QUE É A TAL CRIAÇÃO DE GÊNERO NEUTRO?

A FALÁCIA DA IDEOLOGIA DE GÊNERO.

COMO ESTÁ SUA VIDA DE ORAÇÃO?

SÉRIE MÁRTIRES

QUAL A VERDADEIRA MOTIVAÇÃO PARA BUSCAR A VIDA ETERNA?

05 EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS QUE CORROBORAM RELATOS BÍBLICOS.

IDEOLOGIA DE GÊNERO: ALERTA ÀS LIDERANÇAS CRISTÃS.

Baixe Gratuitamente a Revista - >>Revista Cristã (Edição Novembro) - Ideologia de Gênero<<

Baixe Gratuitamente (Revista Cristã) - 500 anos da Reforma Protestante

500 anos da Reforma Protestante – (Outubro/2017)

reforma protestante - revista.png

Dia 31 de Outubro de 2017, o mundo comemora o 500º aniversário da Reforma Protestante.
 
É com muita alegria, que disponibilizamos gratuitamente mais uma edição da revista Cristão Erudito, que tratará da historia, legado e os principais pontos da Reforma do século XVI.
 
´´Iniciada por volta do século XVI e aperfeiçoada ao longo dos anos, a Reforma foi, e continua sendo um manifesto real e puro dos verdadeiros cristãos, que buscam por um cristianismo mais puro e ortodoxo longe de heresias e tradições humanas.
 
500 anos depois de muita luta, debates e conquistas, se faz mais que necessário refletirmos sobre este grandioso acontecimento e respondermos a nós mesmos se ainda estamos imersos no espírito da Reforma ou se já estamos impregnados de modismos e do pensamento desviado deste século.
 
E Para esta questão, é preciso lembrarmos o que foi a reforma, seu legado histórico no mundo e porque ainda devemos buscar viver nela.´´
 
Conteúdo da Revista
 
REFORMA PROTESTANTE COMEMORA 500 ANOS.
 
O CRISTIANISMO E AS TEOLOGIAS MARXISTAS.
 
SÉRIE MÁRTIRES
 
ARQUEOLOGIA CONFIRMA RELATO BÍBLICO SOBRE  O REI EZEQUIAS.
 
BÍBLIA DE ESTUDO DA REFORMA É LANÇADA.
 
Baixe Gratuitamente a Revista Cristã - e boa leitura.
 
Baixe Gratuitamente Aqui>>>